DIVULGA CIÊNCIA

Valorizando os periódicos brasileiros através da divulgação científica

Vírus HTLV tem maior incidência em índios da Amazônia

(Publicado na Agência USP de Notícias)

A Região Amazônica Brasileira é a maior área endêmica do mundo para a ocorrência da infecção pelo vírus HTLV-1. O HTLV é um retrovírus da mesma família do HIV, que infecta a célula T humana, um tipo de linfócito importante para o sistema de defesa do organismo. A constatação é feita em pesquisa que acaba de ser publicada na última edição da Revista do Instituto de Medicina Tropical de São Paulo (nº57, vol.1) (http://is.gd/T99g3I). O estudo mostra que é constante a presença do vírus HTLV-2 entre os indígenas do Brasil.

Primeira infecção pelo HTLV entre indígenas brasileiros aconteceu em 1990 - Foto: Wikimedia Commons

Primeira infecção pelo HTLV entre indígenas brasileiros aconteceu em 1990 – Foto: Wikimedia Commons

Existem dois tipos do vírus, o tipo 1 e o tipo 2, o primeiro é o vírus causador de doenças que comprometem o bom funcionamento da medula espinhal, infecções neurológicas dermatites infecciosas, além de outras alterações inflamatórias. Já o tipo 2 é associado à diversas doenças neurológicas. E conforme aponta o estudo, “no continente americano o HTLV-1 teria mais de uma origem, sendo trazido na era paleolítica pelos imigrantes através do estreito de Bering, pelo tráfico de escravos no período colonial e com a imigração japonesa a partir do início do século 20”.

Ainda de acordo com a pesquisa, a prevalência da doença em tribos indígenas não ocorre somente no Brasil. Nos EUA, 37% da população indígena (5,2 milhões) apresentou contaminação pelo HTLV do tipo 2, no caso do Panamá, 48,1% da população apresentou contaminação. Nos países da América do Sul, a maioria vive na Bolívia (62%) e na Guatemala (60%).
Ainda sobre o Brasil, o estado com maior incidência da doença é o Amapá, que teve aproximadamente 80% de sua população indígena atingida pelo tipo 2 da doença. Vale ressaltar que no Brasil, HTLV não é considerado um problema de saúde pública e, assim, tem sido amplamente negligenciado. Além disso, o HTLV ainda é pouco conhecido e estudado, porém nas dimensões em que se apresenta na sociedade faz dessa doença uma ameaça à saúde pública.

O artigo destaca que a primeira descrição de infecção pelo HTLV entre os povos indígenas brasileiros aconteceu em 1990, em um estudo sobre a prevalência do vírus em algumas populações humanas em risco. E a população indígena Nakauchi relataram 39% de positividade para HTLV-1 no soro de 82 pessoas, e Mekranoiti
20%, em 55 índios Tiriyó do Pará.

Confirmação
Estudos subsequentes mostraram, o que a atual pesquisa só veio confirmar, que o HTLV-2 é predominante entre a população indígena brasileira. E foram estudos de 1995, os primeiros a indicarem as 26 comunidades indígenas onde estavam concentradas as principais incidências do vírus. Estas comunidades são distribuídas nos estados do Maranhão (Urubu-Kaapor), Amapá (Galibi, Palikur, Wayampi), Amazonas (Yamamadi), Roraima (Yanomami), Rondônia (Cinta Larga), Surui, Karitiana) e Pará (Wayana-Apalai, Tiriyó, Assurini Kuatinemo, Assurini Trocará, Zoé, Arara Laranjal, Arara Kurambê, Arara, Iriri, Araweté, Parakanã, Munduruku e Kayapó seis tribos diferentes).

Os autores encontraram HTLV-2 para estar presente em 17 das 26 comunidades, fornecendo evidências de que a região amazônica do Brasil é o mais endêmica área no mundo para o HTLV-2. Sobre a incidência do HTLV-1 a presença está limitada a cinco indígenas: um Galibi (Amapá), três Yanomami (Roraima), e uma Kayapó da aldeia de Aukre (PA).
Além de apontar dados sobre a doença em populações indígenas, os pesquisadores buscam fazer um alerta sobre essa doença pouco estudada e divulgada. “A ignorância sobre o vírus aumenta muito o risco de transmissão. A comunidade indígena deve ser adequadamente informado sobre os modos de transmissão HTLV e os riscos associados ao aleitamento materno e alimentação cruzada”, defendem os pesquisadores.

Outro dado importante apontado pelos cientistas é que por se tratar de uma doença negligenciada no País, o HTLV não é considerado um problema de saúde pública; o que aumenta a incidência de casos. Diante disso, defendem a realização de eventos públicos para a disseminação do assunto e, por consequência, a conscientização da população e assim controlar os níveis da doença entre os povos indígenas e evitar a propagação entre a população em geral.

O artigo Origin and Prevalence of Human T- Lymphotropic Virus Type 1 (HTLV-1) and Type 2 (HTLV -2) Among Indigenous Populations in the Americas, tem como autores Arthur Paiva, da Universidade Federal de Alagoas, Hospital Universitário de Maceio, Alagoas, e do Instituto de Medicina Tropical (IMT) de São Paulo da USP, e Jorge Casseb, do IMT da USP.Vírus HTLV tem maior incidência em indígenas da Amazônia

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado em 30 de abril de 2015 por em Divulga Ciência.
%d blogueiros gostam disto: