DIVULGA CIÊNCIA

Valorizando os periódicos brasileiros através da divulgação científica

“Til”, de José de Alencar, carrega tensão social velada

Escrita em contexto de crise, obra quebra tabu da escravidão na literatura nacional, tornando ambíguos papéis de ‘vítima’ e ‘algoz’
Por Bruno Vaiano, publicado originalmente na Agência Universitária de Notícias 

José de Alencar

Crédito: AUN/USP

A classificação de “Til” como romance singelo, descrição de um Brasil modesto e tradicional, é questionada por Paula Maciel Barbosa, doutora em Literatura Brasileira pela FFLCH-USP, em artigo publicado na revista do Instituto de Estudos Brasileiros (IEB). A autora, baseada no cenário político conturbado dos anos de 1870, demonstra que há, na obra de 1872, um retrato crítico da contraposição entre casa-grande e senzala, responsável pela polarização e ambiguidade do romance, e especial preocupação de Alencar com a reinserção social dos escravos após sua libertação.

“Til” não foi alvo de muitos estudos de fôlego. Constantemente citado “de passagem” pela crítica, o romance não reverberou com intensidade. Ele, porém, foi marcante dentro da obra do autor em muitos aspectos. Segundo a pesquisadora, Alencar “lança mão de materiais por ele já trabalhados em seus romances indianistas anteriores [O Guarani e Iracema]. No entanto, dessa vez não trata do passado colonial, mas do presente, pois leva a ação para uma fazenda de café no interior paulista em 1846”. Lançado em folhetins em 1871, época da promulgação da Lei do Ventre Livre, a trama de Alencar estava fortemente inserida em seu tempo.

O fim do império

Alencar, entre 1867 e 1868, redigiu cartas no gênero ‘specula principis’ (espelho do príncipe), sob o pseudônimo de ‘Erasmo’, para o imperador D. Pedro II. Nelas, o autor, como uma espécie de conselheiro ou ‘voz da consciência’ do absolutista, era claramente favorável à manutenção da escravidão. Sobre a aparente contradição entre essa postura e o caráter social de “Til”, a autora explica: “A figuração das contradições sociais no romance, mais do que às intenções do autor, deve­-se ao momento de crise em que foi escrito e ao fato de Alencar ter se proposto a tratar da nação como um todo”.

O Brasil, endurecido pela Guerra do Paraguai, se viu na difícil conciliação entre o respeito aos negros que morreram pela nação no conflito e a continuidade de sua opressão e submissão em nosso território. “A historiografia é unânime em apontar a década de 1870 como uma fase de declínio do Segundo Reinado”, diz a autora. “A discussão sobre o fim da escravidão, a criação do Partido Republicano e as novas escolas de pensamento são indicadores de que as coisas estão mudando. Alencar não ficou imune a isso”.

Silêncio quebrado

“Til”, portanto, não estava isolado. O próprio Alencar, no mesmo ano, finaliza ”O Tronco do Ipê”, também ambientado no presente do autor e permeado pela questão da escravidão, apesar de centrado na casa-grande. Em 1869, Joaquim Manuel de Macedo publica “As Vítimas­ – Algozes: Quadros da Escravidão”, conjunto de três histórias que mostram como os escravos trazem, nas palavras da entrevistada, “a devassidão e a morte para o lar de seus senhores”.  Os três, com “A Mocidade de Trajano”, primeira obra do Visconde de Taunay, formam um grupo de romances da fazenda que trouxeram à tona a questão da escravidão, problemática até então evitada na literatura.

“Em Til, o lado demoníaco e monstruoso não se vincula a um escravo, mas a uma personagem da casa­grande”, explica a autora, contrapondo o livro à obra contemporânea de Macedo. “Além disso, o modo como o enredo insiste no abandono a que estão relegados os velhos escravos e no cuidado que se deve ter com os seres fragilizados ou alienados demonstra uma preocupação do autor“.

O espaço, em “Til”, é hierarquizado. Os ambientes do romance são descritos de acordo com as personagens que os habitam, em um vínculo vital para a compreensão da obra: “O espaço funciona como uma alegoria da nação e de seus estratos sociais”, diz Paula, comparando a obra ao “Guarani”, que possui características similares na sua construção, apesar de retratar outra época. A estratificação vai além e afeta o próprio estilo empregado pelo autor: ao se referir à casa-grande, centro de riqueza e poder em torno do qual a obra se irradia, Alencar compõe a narração à moda de seus romances urbanos sentimentais. Ao se aproximar das classes subalternas, sua figuração realista sai de cena, e a obra remete ao mítico, alegórico e fantástico.

“Na dimensão do tempo, isso se repete. O tempo linear, uma das características básicas dos romances, não se mantém, e observa­-se a existência de dois modos antagônicos de representação do tempo: o histórico e o mítico”, afirma a autora. Til, por se centrar em personagens vinculados à periferia do latifúndio escravista, deixa mais à mostra as contradições daquela sociedade.

O artigo completo está na revista do Instituto de Estudos Brasileiros, disponível aqui.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado às 9 de junho de 2015 por em Novos Artigos e marcado , , , , , , , , , , , .
%d blogueiros gostam disto: