DIVULGA CIÊNCIA

Valorizando os periódicos brasileiros através da divulgação científica

Primeira descrição do zika vírus transmitido no país alerta para crescimento da doença

Germana Barata

A última edição da revista Memórias do Instituto Oswaldo Cruz traz artigo inédito sobre o zika vírus (ZIKV), transmitido pelo mosquito do gênero Aedes, o mesmo que transmite a dengue. O ZIKV chegou ao Brasil no início do ano, com o primeiro caso reportado em Natal. “Uma hipótese plausível é que a chegada do novo vírus emergente ocorreu durante a Copa do Mundo de 2014”, informam Claudia Nunes Duarte dos Santos, do Laboratório de Virologia Molecular do Instituto Carlos Chagas e os co-autores do estudo da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRN) e da Secretaria de Saúde do Rio Grande do Norte. No Brasil há casos confirmados no Rio Grande do Norte, Bahia, Alagoas, Maranhão, Roraima, Pará, São Paulo e Rio de Janeiro.

O sequenciamento genético de amostras de 8 pacientes indicou alta similaridade com a linhagem de origem asiática, enquanto os testes para dengue e chikungunya deram negativo. Dentre os pacientes positivos para Zika vírus, confirmados como casos autóctones (adquiridos no Brasil), sete eram mulheres com idade média de 39 anos com familiares com os mesmos sintomas. Dentre os sintomas mais comuns estava a coceira por vermelhidão na pele e dor.

Os autores reportam que a maior parte dos pacientes afirma ter sentido dor por 2 a 15 dias, com um deles chegando a 21 dias. Dentre outros sintomas bastante presentes estão dor de cabeça e muscular (em 6 pacientes), dores nas articulações (7), febre mediana (6) e dor ao redor dos olhos (4). A duração da febre variou de 1 a 8 dias, com relato de febre alta (acima de 39oC) apenas em dois pacientes. O quadro clínico teve semelhanças com a chikungunya, porém com menor duração, chegando a duas semanas.

Captura de tela 2015-06-19 09.52.11

Alguns sintomas do zika vírus identificados nos pacientes do Rio Grande do Norte. B) vermelhidão e coceira na pele, C) inchaço nos pés. Crédito: Zanluca et al. Mem. Inst. Oswaldo Cruz, 2015.

“Até hoje, nenhuma morte ou complicações associadas à Zika foram registradas em Natal”, lembram os autores do estudo. Apenas em dois pacientes é que o número de leucócitos, células de defesa, caiu, nos demais os níveis se mantiveram normais, incluindo os de neutrófilos e plaquetas, diferente do que ocorre no caso de dengue. O teste do torniquete ou prova do laço, usado para identificar o agravamento da dengue, deu negativo em sete pacientes.

Os autores alertam que, embora os casos descritos tenham sido amenos, os profissionais de saúde precisam estar atentos para o risco de expansão desta nova doença no país. “O contexto epidemiológico complexo de circulação simultânea dos virus da dengue, chicungunya e zika não deve ser negligenciado”, enfatizam, lembrando que já foram descritos casos de co-infecção de vírus da dengue e zika, bem como dengue e chikungunya. Porém ainda não se sabe se a infecção simultânea de virus ou a infecção subsequente pode agravar os casos ou alterar os modos de transmissão. “O diagnóstico clínico e laboratorial corretos para diferenciação da infecção aguda de zika, chicungunya e dengue contribuirá para a prognóstico (identificação da doença) e levar a ações de vigilância”, concluem os especialistas.

Curiosidades sobre o Zika vírus

O Zika vírus foi primeiramente isolado em macacos rhesus da floresta de Uganda em 1947, com descrição de alguns casos da febre Zika em humanos. Em 2007 ocorreu a primeira epidemia na Micronésia e uma epidemia de maior proporção ocorreu na Polinésia Francesa, há dois anos. O primeiro brasileiro foi identificado no Brasil no início deste ano, com um paciente que apresentava sintomas semelhantes à dengue e chikungunya, mas cujos testes deram negativo.

Dentre outros sintomas que podem aparecer está febre mediana, conjuntivite purulenta, tontura, dores ao redor dos olhos, urticária, inchaço e diarreia.

O zika é um arbovírus (vírus transmitidos por artrópodes, grupo de animais invertebrados que engloba os insetos) pertence a família Flavivirus que causa importantes problemas de saúde pública como a dengue, febre amarela e a febre do Nilo Ocidental.

O Ministério da Saúde não informa o número de casos de zika vírus confirmados no país. No Rio Grande do Norte, o jornal Tribuna do Norte informou no dia 26 de maio que os casos confirmados no estado chegam a 18.

Leia artigo completo:

ZANLUCA, Camila; Melo, Vanessa Campos Andrade de; Mosimann, Ana Luiza Pamplona; Santos, Glauco Igor Viana dos; Santos, Claudia Nunes Duarte dos; Luz, Kleber. “First report of autochthonous transmission of Zika virus in Brazil”. Mem Inst Oswaldo Cruz, Vol.110 (4): 569-572, June 2015.

Contatos:

Assessora de imprensa do Instituto Carlos Chagas. Renata Fontoura. Fone: (41) 3316-3230
Autores: Claudia dos Santos, do Instituto Carlos Chagas. Email: clsantos@fiocruz.br. Kleber Luz, do Instituto de Medicina Tropical da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). Email: klebergluz@gmail.com.

Anúncios

11 comentários em “Primeira descrição do zika vírus transmitido no país alerta para crescimento da doença

  1. Marcio Antonio Rezende
    2 de julho de 2015

    Estou com os sintomas de coceira há 60 dias e pelo jeito não vai passar.

    Curtir

  2. Sofia
    24 de setembro de 2015

    Boa Noite,
    meu nome é Sofia e sou Italiana.
    Morei em Natal ate Agosto desse ano, apois três anos de estudos na faculdade de Gestao Ambiental de Natal.
    Queria lhe informar que em Maio desse ano, contrai o virus Zika. Eu estava gravida de três meses epoca, três meses justos, pois engravidei em Março 2015, sendo a ultima menstruação de fevereiro, dia 27.
    Naquela epoca liguei preocupada para minha ginecologa, Dot. Teles, para pedir informações e/ou se tenha uma cura ou se tive que fazer analises ou controles pois estava gravida e estava muito preocupada.
    Os sintomas eram febre alta, dores fortes muscolares, coleira muito intensa e manchas na epiderme, como rosolia, mas sabia que não podia ser rosolia pois ja estava vacinada contra esse virus.
    Em Agosto regressei na Italia para assistir minha gravidez no sistema de saúde italiano, pra mim, mais eficaz e seguro..
    Ainda hoje estou fazendo resonancias magnéticas e ultrassonografia e terçero grau e analises porque minho bebe sofreu um importante dano encefalico, sendo que hoje confirmaram que todos os órgãos do celebro, estão comprometido irremediavelmente…A causa para eles é devido a esse virus, que ate agora, não sabia fosse Zika, simplesmente porque a minha ginecologa e outros médicos naquele tempo (Maio-Agosto)não me falaram de Zika virus, mas sim que era um virus ainda desconhecido, mas que não iria influenciar de alguma forma no utero e no bebe.
    Hoje, apos ter lido esse artigo em divulga ciência (escrito por Germana Barata: Primeira descrição do Zika virus transmitido no pais alerta para crescimento da doença), e na situaçao que estou, possui confirmar o contrario. Proxima semana irei ser internada no Hospital de Negrar, aonde fica um dos centros de pesquisa de doenças tropicais mais importantes no norte de Italia e a nível internacional.Irei telo informado se quiser, pois acho que em situações como a minha, aonde tem a vida de criaturas indefesas, tem que ter mais atenção e cuidado por parte da saúde publica, sobretudo por parte dos profissionais privados, considerando que todas as visitas e planos de saúde, alem de ser caros, são a cargo do cidadão.
    E sobretudo porque, de repente, poderia ter visto meu filho nascer em Dezembro, se as informaçoes tivessem sido claras e justas desde o começo.

    Atenciosamente,

    Sofia Tezza

    Curtir

  3. Ana Claudia Adame
    24 de novembro de 2015

    Boa tarde.
    Tive Zica Vírus em outubro, corro o risco de ser infectada novamente ou estou imune? Quanto tempo leva para o organismo eliminar o vírus?

    Atenciosamente, Ana Claudia

    Curtir

  4. Pingback: Retrospectiva 2015: Posts mais lidos do blog | DIVULGA CIÊNCIA

  5. Pingback: Retrospectiva 2015: Postagens com mais cliques no Facebook | DIVULGA CIÊNCIA

  6. mila
    14 de março de 2016

    OLÁ… BOM DIA!

    AH MAIS OU MENOS UM MÊS CONTRAI O ZIKA VIRUS. MEU CORPO FICOU TOTALMENTE COBERTO POR PINTINHAS VERMELHAS QUE COÇAVAM, UMA LEVE FEBRE DE 38°C E LOGO DEPOIS TIVE INTENSAS DORES NAS ARTICULAÇÕES. MEUS LEUCÓCITOS CAÍRAM PARA 4500 MM3. O PROBLEMA É QUE ELES PERMANECEM COM ESSE NÍVEL ATE HJ. GOSTARIA DE SABER SE EXISTE ALGUMA EXPLICAÇÃO PARA ISSO OU SE DEVO PROCURAR OUTROS MOTIVOS?

    OBRIGADA!

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado às 19 de junho de 2015 por em Novos Artigos e marcado , , , , , , , .
%d blogueiros gostam disto: