DIVULGA CIÊNCIA

Valorizando os periódicos brasileiros através da divulgação científica

Revistas científicas brasileiras citadas em matéria de capa da Pesquisa Fapesp

Matéria de capa da revista Pesquisa Fapesp do mês de junho cita dois artigos publicados em revistas científicas brasileiras para embasar sua reportagem sobre as estratégias de combate a dengue que é hoje epidêmica no Brasil. Que possamos ver cada vez mais nossas revistas científicas servindo como fontes de informação no jornalismo nacional.

Edição 232 junho 2015

Edição 232 junho 2015

ARAUJO, R. V. et alSão Paulo urban heat islands have a higher incidence of dengue than other urban areasThe Brazilian Journal of Infectious Diseases, v. 19, n. 2, p. 146-55. mar-abr. 2015.

MACORIS, M. L. G. et al. Impact of insecticide resistance on the field control of Aedes aegypti in the State of São PauloRevista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, v. 47, n. 5, p. 573-8. set-out 2014.

**************************************************************************************************************************************************************

Um vilão de muitas caras

Combater a dengue agora e nos próximos anos requer a combinação de estratégias estabelecidas e inovadoras

Não foi a praia que atraiu o virologista Paolo Zanotto, do Instituto de Ciências Biomédicas da Universidade de São Paulo (ICB-USP), e o doutorando Julian Villabona-Arenas ao Guarujá, no litoral sul de São Paulo, no verão de 2012-2013. Eles estavam acompanhando os casos de dengue no município, selecionado pela proximidade com a metrópole paulistana, e analisando a genética dos vírus para reconstruir a malha de transmissão entre pessoas. As análises mostraram que dois bairros, Pae Cará e Enseada, eram os focos principais da doença, que deles se espalhava para outros pontos da cidade. O trabalho dos pesquisadores chamou a atenção de uma funcionária do departamento de vigilância sanitária local, que percebeu a preciosidade de saber onde estavam os casos com vírus ativos e convocou uma unidade de fumigação – o chamado “fumacê” – para matar mosquitos nesses locais. “Foram na cabeça do dragão e deram o tiro”, diz Zanotto. Depois disso, os mapas mostram uma situação mais fácil de controlar, com casos isolados. “É isso que precisa ser feito em todos os municípios”, preconiza, ao mesmo tempo que ressalta a necessidade de combinar vacinas a diferentes formas de controle do mosquito transmissor da doença.

Leia matéria completa de Maria Guimarães e Pablo Nogueira.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado às 30 de junho de 2015 por em Revistas na mídia e marcado , , , .
%d blogueiros gostam disto: